plantão filosófico
Jornal de Filosofia
Pesquisa

O NATURALISMO RENASCENTISTA
Por Edemilson Leão de Lima (Leitor do Jornal), em 2017/08/21276 leram | 0 comentários | 2 gostam
O Renascimento Artístico ocorreu na Europa, é o momento do surgimento de novas ideias.
O Racionalismo e o Academismo estabelece normas, que a natureza deveria ser imitada e representada em abstrato.
Desenvolvido por Pamela e Lucimara
O Renascimento Artístico, ocorrido entre os séc. XIV E XV na Europa, passou a dignificar o trabalho do artista ao elevá-lo à condição de trabalho intelectual. As artes foram buscadas em um naturalismo crescente mantendo estreita relação com a ciência empírica que desapontava na época. Além de ser criação da inteligência e imitação da natureza, a estética renascentista era regida pela ideia de que a beleza é propriedade objetiva das coisas, constituindo na ordem, na harmonia e na proporção expressas matematicamente. Na visão do Renascimento, a arte tinha atingido a perfeição na Antiguidade.
  -RACIONALISMO E ACADEMISMO: A ESTÉTICA NORMATIVA
A busca da clareza conceitual, do rigor dedutivo e da certeza intuitiva invadiram o campo da arte. Elementos cartesianos e aristotélicos foram combinados e o seguir a natureza passou a ser o seguir a razão, uma vez que a natureza humana consiste em ser racional.
Por isso, nos séc. XVII e XVIII, o racionalismo estético estabeleceu normas para a o fazer artístico, como: a arte é uma imitação da natureza, que inclui o universal, normativo essencial, característico e o ideal. Baseando-se no pensamento em que a natureza deveria ser imitada e representada em abstrato, com as características da espécie, nasceu o Academismo, isto é, ao Classicismo ensinado pelas academias de arte. Era a chamada Estética Normativa, que estabeleceu regras para o fazer artístico limitando a criatividade do artista, espaço para indagações e propostas novas.

Mais Imagens:

Comentários

Escreva o seu Comentário