plantão filosófico
Jornal de Filosofia
Pesquisa

Montesquieu: A autonomia dos poderes
Por Edemilson Leão de Lima (Leitor do Jornal), em 2017/06/19343 leram | 0 comentários | 20 gostam
Montesquieu criou o conceito de Equipotência de Poderes, que significa a capacidade de controle mútuo entre executivo, legislativo e judiciário.


ALINE APARECIDA DA SILVA
RONALDO DE ANDRADE DALL BOSCO
JULIANO ALBUQUERQUE CORDEIRO
A AUTONOMIA DOS PODERES
    O pensamento de Montesquieu forneceu os elementos necessárias para que a teoria da separação de poderes evoluísse, resultando no que hoje é consensual quando nos referimos as chamadas democracias modernas.
    Embora o pensamento de Montesquieu tenha sido apropriado pelo liberalismo burgues, ele criticou toda a forma de despotismo, mas preferia a monarquia moderada e não apreciava a ideia de ver o povo assumindo o poder.
    PODER EXECUTIVO: seria, para o autor, exercido pelo rei, que assumiria as responsabilidades pela condução política e administrativa do estado.
    PODER LEGISLATIVO: exerceria o poder de expressar os desejos dos súditos junto à coroa. Ambos os poderes funcionariam como freios e contra pesos para que nenhum dos lados excedessem suas prerrogativas.
    PODER JUDICIÁRIO: caberia apenas o papel de interpretador da lei. Seria uma das garantias de estabilidade política pois, a decisão jurídica poderia ser sempre previsível a partir do conhecimento das leis.
   Em meio a posições muitas vezes divergentes, na modernidade foram esboçadas as novas linhas que orientaram daí em diante as ideias liberais e os primeiros passos em direção à conquista de cidadania e democracia.

Mais Imagens:

Comentários

Escreva o seu Comentário